Exú Tranca Ruas das Almas

Antes de mais nada queremos contar por que o nome que este chefe de falange tem o nome de Tranca-Ruas.

Disse ele: "na rua vive o homem sem lar; na rua vive o bêbado; a rua é o escritório do ladrão; na rua existe a droga e o vício; na rua está o desamparado; na rua vive a meretriz; na rua anda o desesperado; a rua é habitada por todos os marginais. Eu tranco toda esta infelicidade."

É alto, forte, veste uma camisa de seda branca, calças pretas, sapatos finos e de verniz, cabelos belíssimos, cacheados e castanhos bem claros, olhos azuis, às vezes cinzas, com os quais costuma encarar as pessoas ou adversários, de forma quase hipnótica.

Sua grande força vem do cemitério, especificamente da cruz das almas.

Seus protegidos têm uma força poderosa ao seu lado.

Tem relação direta com Ogum, razão porque todas as pessoas desta linha são, por ele considerados, seus filhos.

Por ser o Exú o espírito intermediário, ligação entre o mundo espiritual e o material, ele representa o equilíbrio.

 

Oração a Tranca Ruas

Por Adelaide Scritori

Faço reverência a vós mistério sagrado da criação,

Vós que SOIS a manifestação do divino,

Peço que nesta noite possa se manifestar entre nós,

CONFORME nosso merecimento.

No seu poder, na sua força, e na sua magnitude,

Pelo caminho tripolar que emana de VÓS,

Pelo caminho que só vós conheceis,

Pela força que só a vós pertenceis,

E pelo poder de trancar a VÓS concedido,

Eu peço:

Que as trevas que habitam em mim sejam trancadas,

Que o ódio e o sentimento impuro que emana da minha alma sejam trancados,

Que a falsidade que exala dos meus poros seja trancada,

Que o rancor e a miséria que habitam o meu coração sejam trancados,

Que a dissimulação e a superficialidade que nasce da minha língua sejam trancados,

Que o egoísmo e a maldade que transcendem da minha mente sejam trancados,

Que a palavra torta que sai da minha boca e o pensamento roto que sai da minha cabeça contra o próximo sejam trancados,

Que a capacidade que os meus olhos têm de amaldiçoar e destruir sejam trancados,

E assim, fonte primária da criação, assim que Trancar a tudo isso no seu âmago, pois é na vossa essência que tudo isso se desvitaliza, peço a VÓS que:

Destranque todas as portas do meu caminho,

Destranque todas as passagens da minha jornada,

Destranque toda prosperidade material e espiritual,

Destranque o meu coração das amarguras,

Destranque o meu sustento de cada dia,

Destranque os meus corpos espirituais e o meu corpo material da agonia, do desespero e da aflição que me assolam na calada da noite,

Destranque o meu emprego, o meu negócio e a minha morada material,

Destranque o martírio familiar pelo qual eu tenho passado,

Destranque os meus olhos para as maravilhas do mundo espiritual,

Destranque a minha liberdade!

Pois vós, Força Sagrada do Divino Criador, é o portador supremo da Vitalidade!

Salve o Mistério Tranca-Ruas!!!

Colaboração: Luiz Antonio Divardin

 

Alguns pontos riscados do Exú Tranca Ruas:

Exú Tranca Ruas das Almas

Exú Tranca Ruas da Encruzilhada

Exú Tranca Ruas do Cruzeiro

Exú Tranca Ruas do Luar

Exú Tranca Ruas Pequenino

 

 

 

Pontos da Entidade
Ponto de Chamada

1. O sino da igrejinha     |

Faz belém, blem, blom   >

 

     Deu meia noite o galo já cantou

     Seu Tranca-Ruas é o dono da gira

     Oi corre gira que Ogum mandou

 

2. Quem é que desceu do reino, quem é?

Ele é Tranca Ruas das Almas, ele é

 

3. Quando o galo canta

As almas se levantam e o mar recua

É quando os anjos do céu dizem amém

E o pobre do lavrador diz aleluia

Diz aleluia, diz aleluia          |

Seu Tranca Ruas diz aleluia >

 

4. Está iluminando a sua banda

Está cheirando flor em seu Congá

Seu Tranca Ruas um pedido eu lhe faço

Me abre as portas

Ilumina os caminhos por onde passo

5. Seu Tranca Ruas

Me abra os meus caminhos

Que me foi trancado

Pelo povo pequenino

Saravá o Sol, saravá a Lua

Saravá a Rua, saravá Seu Tranca Ruas

Seu Tranca Ruas

Nas forças da mata

O seu Congá tem segurança

É nas tronqueiras que ele gira

É meia noite que o galo canta

 

6. Chegou na canjira de Umbanda  |

Seu Tranca Ruas                          >

Quem está de ronda é meu Pai      >

Seu Tranca Ruas

Me cubra com sua capa

Quem tem sua capa escapa           >

A sua capa é um manto de caridade

Sua capa cobre tudo

Só não cobre a falsidade

 

MENSAGEM DO EXU TRANCA-RUAS DAS ALMAS

 

O Exú Tranca Ruas das Almas chamou um capitão-de-terreiro e ordenou-lhe:

"Depois da meia-noite, vá sozinho no cemitério, acenda sete velas vermelhas e sete pretas, ponha no centro uma garrafa de marafo, beba metade dela e fique na frente até todas as velas apagarem."

O capitão, sem nada perguntar ou questionar, nem mesmo saber por que a determinação, de pronto perguntou:

"Deve ser hoje ou pode ser amanhã?".

Demonstrando imensa satisfação o Exú sentenciou:

"Não precisa fazer nada, meu filho. Estava apenas testando tua fé. Você é um verdadeiro umbandista, cumpridor de ordens".